Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

observatorio74


Terça-feira, 22.05.12

A Arte Negra De Wilson Moreira E Nei Lopes

http://www.sambaderaiz.net/a-arte-negra-de-wilson-moreira-e-nei-lopes/


Clique  no link para escutar 09 sambas de Wilson Moreira e Nei Lopes em um dos discos mais importantes da história da música brasileira.
Nei Lopes e Wilson Moreira

1. Só Chora Quem Ama-Goiabada Cascão-Mel E Mamão Com Açúcar- Coisa Da Antiga – Wilson Moreira & Nei Lopes – (9:35)
2. Coité, Cuia – Wilson Moreira & Nei Lopes – (2:55)
3. Gotas De Veneno-Senhora Liberdade – Wilson Moreira & Nei Lopes – (3:32)
4. Noventa Anos De Abolição – Wilson Moreira & Nei Lopes – (2:45)
5. Silêncio De Um Bamba – Wilson Moreira & Nei Lopes – (3:54)
6. Samba Do Irajá – Não Foi Ela – Wilson Moreira & Nei Lopes – (4:13)
7. Candongueiro – Wilson Moreira & Nei Lopes – (2:46)
8. Gostoso Veneno – Wilson Moreira & Nei Lopes – (3:04)
9. Ao Povo Em Forma De Arte – Wilson Moreira & Nei Lopes – (4:00)

Se você gosta de samba, certamente vai gostar também de ver e escutar também o DVD do Arlindo Cruz que é imperdível com vários convidados de peso no samba.

Pode gostar também de conhecer um pouco mais de Elis Regina que foi a maior cantora Brasileira de todos os tempos. No Programa ensaio.



Autoria e outros dados (tags, etc)

por observatorio74 às 05:38

Quarta-feira, 09.05.12

Pagode da Tia Doca - Beth Carvalho - 1996



Pagode da Tia Doca & Beth Carvalho in Rio de Janeiro back in 1996. Great music - Great feel!!! French documentary.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por observatorio74 às 15:44

Segunda-feira, 07.05.12

Cartola - Preciso me encontrar


Preciso me Encontrar - Cartola from rikardo on Vimeo.
Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir prá não chorar
Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir prá não chorar...

Quero assistir ao sol nascer
Ver as águas dos rios correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer
Quero viver...


Clique para escutar um clássico do Mestre Cartola,
sem tomar susto com montagens de fotos esquisitonas
que costumam tem por aí. :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por observatorio74 às 15:37

Quarta-feira, 02.05.12

Os Grandes Sambistas - Cartola




Cartola (Angenor de Oliveira). Compositor, cantor, instrumentista. 


Rio de Janeiro RJ 11/10/1908-id. 30/11/1980.


Cartola nasceu no bairro do Catete, no Rio de Janeiro. Tinha oito anos quando sua família se mudou para Laranjeiras e 11 quando passou a viver no morro da Mangueira, de onde não mais se afastaria. Desde menino participou das festas de rua, tocando cavaquinho – que aprendera com o pai – no rancho Arrepiados (de Laranjeiras) e nos desfiles do Dia de Reis, em que suas irmãs saíam em grupos de “pastorinhas”. Passando por diversas escolas, conseguiu terminar o curso primário, mas aos 15 anos, depois da morte da mãe, deixou a família e a escola, iniciando sua vida de boêmio.


Após trabalhar em várias tipografias, empregou-se como pedreiro, e dessa época veio seu apelido, pois usava sempre um chapéu para impedir que o cimento lhe sujasse a cabeça, o qual chamava de cartola. Em 1925, com seu amigo Carlos Cachaça, que seria seu mais constante parceiro, foi um dos fundadores do Bloco dos Arengueiros. Da ampliação e fusão desse bloco com outros existentes no morro, surgiu, em 1928, a segunda escola de samba carioca. Fundada a 28 de abril de 1928, o G.R.E.S Estação Primeira de Mangueira teve seu nome e as cores verde e rosa escolhidos por ele. Foram também fundadores, entre outros, Saturnino Gonçalves, Marcelino José Claudino, Francisco Ribeiro e Pedro Caymmi. Para o primeiro desfile foi escolhido o samba Chega de Demanda, o primeiro que fez, composto em 1928 e só gravado pelo compositor em 1974, no LP História das escolas de samba: Mangueira, pela Marcus Pereira. Em 1931, Cartola tornou-se conhecido fora da Mangueira, quando Mário Reis, que subira o morro para comprar uma música, comprou dele os direitos de gravação do samba Que infeliz sorte, que acabou sendo lançado por Francisco Alves, pois não se adaptava à voz de Mário Reis. Vendeu outros sambas a Francisco Alves, cedendo apenas os direitos sobre a vendagem de discos e conservando a autoria: assim foi com Não faz, amor (com Noel Rosa), Qual foi o mal que eu te fiz? e Divina Dama, todos gravados pela Odeon, os dois primeiros em 1932 e o último em janeiro de 1933. Ainda em 1932, o samba Tenho um novo amor foi gravado por Carmen Miranda. Do mesmo ano é a gravação do samba Na floresta, em parceria com Sílvio Caldas, lançado por este último, e a primeira composição em parceria com Carlos Cachaça, o samba Pudesse meu ideal, com o qual a Mangueira foi campeã do desfile promovido pelo jornal “O Mundo Esportivo”.


Em 1936, a Mangueira teve premiado no desfile seu samba Não quero mais (com Carlos Cachaça e Zé da Zilda), gravado por Araci de Almeida, na Victor, em 1937, e em 1973 por Paulinho da Viola, na Odeon, com o título mudado para Não quero mais amar a ninguém. Em 1940, participou, ao lado de Donga, Pixinguinha, João da Baiana e outros, de gravações de música popular brasileira para o maestro Leopoldo Stokowski (1882 – 1976), que visitava o Brasil. Realizadas a bordo do navio Uruguai, ancorado no pier da Praça Mauá, essas gravações deram origem a dois álbuns de quatro discos de 78 rpm, lançados nos EUA pela gravadora Columbia. No rádio, atuou como cantor, apresentando músicas suas e de outros compositores. Na Rádio Cruzeiro do Sul, ainda em 1940, criou, com Paulo da Portela, o programa A Voz do Morro, no qual apresentavam sambas inéditos, cujos títulos deviam ser dados pelos ouvintes, sendo premiado o nome escolhido.


Em 1941, formou com Paulo da Portela e Heitor dos Prazeres o Conjunto Carioca, que durante um mês realizou apresentações em São Paulo, em um programa da Rádio Cosmos. A partir dessa época, o sambista desapareceu do ambiente musical. Muitos pensavam até que tivesse morrido. Chegou-se a compor sambas em sua homenagem. Em 1948, a Mangueira sagrou-se campeã com seu samba-enredo Vale do São Francisco (com Carlos Cachaça).


Cartola só foi redescoberto em 1956, quando o cronista Sérgio Porto o encontrou lavando carros em uma garagem de Ipanema e trabalhando à noite como vigia de edifícios. Sérgio levou-o para cantar na Rádio Mayrinck Veiga e, logo depois, Jota Efegê arranjou-lhe um emprego no jornal “Diário Carioca”.


A partir de 1961, já vivendo com Eusébia Silva do Nascimento, a Zica, com quem se casou mais tarde, sua casa tornou-se ponto de encontro de sambistas. Em 1964, resolveu abrir um restaurante, o Zicartola, na Rua da Carioca, que oferecia, além da boa cozinha administrada por Zica, a presença constante de alguns dos melhores representantes do samba de morro. Freqüentado também por jovens compositores da geração pós bossa-nova (alertados para a sua existência desde o show “Opinião”, no qual Nara Leão incluíra o samba O sol nascerá, de Cartola e Elton Medeiros, que mais tarde gravaria), o Zicartola tornou-se moda na época. Durou pouco essa confraternização morro-cidade: o restaurante fechou as portas, reabrindo em 1974 no bairro paulistano de Vila Formosa.


Contínuo do Ministério da Indústria e Comércio, vivendo na casa verde e rosa que construiu no morro da Mangueira, em terreno doado pelo então Estado da Guanabara, somente em 1974, alguns meses antes de completar 66 anos, o compositor gravou seu primeiro LP, Cartola, na etiqueta Marcus Pereira. O disco recebeu vários prêmios. Logo depois, em 1976, veio o segundo LP, também intitulado Cartola, que continha uma de suas mais famosas criações, As rosas não falam, e o seu primeiro show individual, no Teatro da Galeria, no bairro do Catete, acompanhado pelo Conjunto Galo Preto. O show foi um sucesso de público e se estendeu por 4 meses.


Em julho de 1977, a Rede Globo apresentou com enorme sucesso o programa “Brasil Especial” número 19, dedicado exclusivamente a Cartola. Em setembro do mesmo ano, Cartola participou, acompanhado por João Nogueira, do Projeto Pixinguinha, no Rio. O sucesso do espetáculo levou-os a excursionar por São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. Ainda em 1977, em outubro, lançou seu terceiro disco-solo: Cartola – Verde que te quero rosa (RCA Victor), com igual sucesso de crítica.


Em 1978, quase aos 70 anos, mudou-se para o bairro de Jacarepaguá, buscando um pouco mais de tranqüilidade, na tentativa de continuar compondo. Neste mesmo ano estreou seu segundo show individual: Acontece, outro sucesso. Em 1979, lançou seu quarto LP: Cartola – 70 anos. Nesta época, descobriu que estava com câncer, doença que causaria sua morte, em 30 de novembro de 1980.
Em 1983, foi lançado, pela Funarte, o livro Cartola, os tempos idos, de Marília T. Barboza da Silva e Arthur Oliveira Filho. Em 1984, a Funarte lançou o LP Cartola, entre amigos. Em 1997, a Editora Globo lançou o CD e o fascículo Cartola, na coleção “MPB Compositores” (n°12).


Fonte: Enciclopédia da Música Popular Brasileira, editada pelo Itaú Cultural.









Entrevista extraída do site

Quando você foi descoberto pelo pessoal de fora do Morro da Mangueira?
CARTOLA- Foi em 1931, quando Mário Reis veio aqui no morro. Ele chegou com um rapaz chamado Clóvis, guarda municipal, que havia dito a ele que era meu primo, coisa e tal. Clóvis subiu pra falar comigo, mas o Mário ficou lá embaixo.

O que eles queriam?
CARTOLA- Clóvis veio me dizer que Mário queria comprar um samba meu. Eu disse pro Clóvis que não ia vender coisa nenhuma, que aquilo era coisa de maluco, que o Mário devia ser doido. Comprar um samba pra quê ? Clóvis me disse: "Ah, vende que ele vai fazer uma gravação". Mas não estava disposto a vender nada. Clóvis tanto insistiu que fui ao encontro do Mário. Cheguei lá, cantei o samba que Mário já conhecia, pois devia ter ouvido em algum lugar, e ele me perguntou quanto eu queria pela música. Eu disse que não sabia o preço. Aí, cochichei no ouvido do Clóvis: "Vou pedir 50 mil-réis". Ele me disse: "Que nada! Pede 500 que ele dá". Mas eu não acreditava: "Espera aí. O homem não é maluco pra me dar 500 mil-réis por um samba". Aí, pedi 300 e ele me deu.

Mário Reis gravou a música?
CARTOLA- Não. Quem gravou foi Chico Alves.

Qual foi o samba?
CARTOLA- Que infeliz sorte. (Cartola se enganou quanto ao ano em que ocorreu o seu encontro com Mário Reis. Foi bem antes de 1931, pois a gravação de Que infeliz sorte, com Francisco Alves, foi lançada em dezembro de 1929 pela Odeon.)


Depois desta entrevista, num jantar em homenagem ao crítico e historiador Lúcio Rangel, que fazia 60 anos, informei ao cantor Mário Reis, sentado ao meu lado, que Cartola estaca chegando. "Quem? O mestre Cartola?", espantou-se o cantor. Levantou-se e, espalhafatosamente - apesar de discretíssimo para cantar -, saudou Cartola assim:
- Mestre Cartola! Há 35 anos tenho uma notícia para lhe dar: sabe aquele samba que lhe comprei por 300 mil-réis? Só me rendeu 250 mil-réis!

Foi a partir daí que você ficou conhecido, não foi?
CARTOLA- Depois de Que infeliz sorte, gravei logo a seguir Não faz amor, vendido ao Francisco Alves.

Por quanto?
CARTOLA- O mesmo preço: 300mil-réis. Depois, vendi ao Francisco Alves Tenho um novo amor, mas quem gravou foi Carmen Miranda. Depois, vendi Divina Dama. Comecei a fazer negócios. Um em cima do outro.

Divina Dama foi vendido também a Francisco Alves?
CARTOLA- Vendi tudo a Francisco Alves. Só que Que infeliz sorte que foi para Mário Reis. Vendi também Diz qual foi o mal que eu te fiz.

Apesar de ter vendido tudo isso, os sambas apareciam sempre com seu nome. Por quê?
CARTOLA- É que vendia os direitos do disco. Por isso, meu nome era sempre mantido.

E aquela história confusa do samba Na floresta, como é que foi?
CARTOLA- Foi o seguinte: Buci Moreira tinha um samba que o Chico gostava da letra, mas não gostava da música. E a música do meu samba na floresta se encaixava direitinho na letra do Buci. Ele então comprou a minha música para botar na letra do samba do Buci, que se chamava Foi um sonho. Era assim: "Foi um sonho/ Que te amei/ E risonho/ Te abracei". Isto era do Buci, não me lembro do resto. Em cima daquela letra , ele botou a música do meu "Na floresta/ Dei-te um ninho/ E mostrei o bom caminho". Aí, minha letra ficou jogada fora. Sílvio Caldas conhecia a letra e um dia resolveu botar uma música. E gravou. Chico saltou, quis interditar o disco, coisa e tal. Mas Sílvio convenceu Chico de que ele só tinha comprado a melodia: "Você deixou a letra de lado e o Cartola precisa ganhar dinheiro, pô!" O Chico resolveu deixar pra lá. No ano passado, fui ver o show do Sílvio Caldas no Canecão e, quando ele me viu, falou: "Cartola é meu parceiro", e fez aquela festa. (Outro esquecimento de Cartola, que acabou passando o samba inteiro para Francisco Alves, não se sabendo se o cantor pagou ou não também pela letra. Tenho, em meu arquivo de música popular, um documento- reproduzido neste livro- nos seguintes termos: "Declaro que transferi ao Sr. Francisco Alves todos os meus direitos sobre a parte que me cabe na parceria que tenho com Sílvio Caldas no samba denominado Na floresta, podendo fazer com o mesmo o uso que mais lhe convier. Rio de Janeiro, 13 de setembro de 1933, (assinado) Agenor de Oliveira".)

E depois, você continuou gravando?
CARTOLA- Bem, depois, parei um pouco. Mas gravei com Gilberto Alves aquele samba Sim, que Elisete Cardoso gravou depois. Fiz algumas outras gravações.

Villa-Lobos gostava muito de você. Como foi que vocês se conheceram?
CARTOLA- Foi numa festa, nunca me lembro onde. Ele fez fé com a minha cara: "Este pretinho aí vai longe." Foi por intermédio dele que fiz aquela gravação com Leopoldo Stokowsky. Foi Villa-Lobos quem me apontou. Ele me levou também para cantar no Fluminense e me levou prum filme.

Que filme era esse?
CARTOLA- Não chegou a sair. Era um filme do governo. E toda jogada que ele tinha mandava me chamar. Qualquer coisa, "manda buscar o Cartola". Eu também gostava muito dele. Foi ele quem reuniu o pessoal da música popular brasileira para aquela gravação feita pelo Stokowsky.
(O filme a que Cartola se refere é Descobrimento do Brasil, de 1937, com direção de Humberto Mauro, música de Villa-Lobos e patrocínio do Instituto de Cacau da Bahia. As filmagens foram feitas nos estúdios da Cinédia, no Rio de Janeiro.)

Você já ouviu a gravação do Stokowsky?
CARTOLA- Ouvi uma vez na casa do Lúcio Rangel. A gravação foi feita no navio. Uruguai, que estava ancorado, se não me engano, no Armazém 4. Foi a minha primeira gravação cantando. (A gravação dirigida pelo maestro Leopoldo Stokowsky, em 1940, foi lançada em disco nos Estados Unidos pela Columbia. Durante muitos anos, constituiu-se numa raridade fonográfica. Em 1987, o Museu Villa-Lobos lançou um long-play com a reprodução das gravações originais. Figuram no disco Cartola, Zé Espinguela, Zé Com Fome, um coro de pastoras da Mangueira, Pixinguinha, Donga e vários outros músicos e cantores).

Naquele tempo, qual era a sua profissão? Você vivia de quê?
CARTOLA- Quando eu queria trabalhar, trabalhava em obras. Mas, antes de trabalhar em obras, fui gráfico.

Onde você trabalhou?
CARTOLA- Comecei numa tipografia pequena, na Rua Mem de Sá. Chamava-se O Norte. Antes, eu tinha feito um teste no Jornal do Brasil, mas eu era muito pequeno, não tinha idade. Eu era margeador. Fui elogiado, coisa e tal, mas não pude trabalhar no Jornal do Brasil por causa da idade. Depois, trabalhei numa porção de tipografias por aí. Mas acabei me metendo em obras.

Houve uma época da sua vida que você andou sumido. Nem em Mangueira você aparecia. O que houve?
CARTOLA- É, andei doente depois que perdi minha primeira mulher e acabei me metendo num negócio aí que nem vale a pena comentar. Acabei jogado fora uns seis ou sete anos. Não fiz nenhuma trapalhada, não. Foi um troço que aconteceu comigo e que pode acontecer com qualquer um. Eu mesmo é que me escondia de todo mundo. Mas acabei me metendo em obras. (Após a morte de Deolinda, sua primeira mulher, Cartola encontrou um novo amor e mudou-se para Nilópolis e, depois, para uma favela no Caju. Durante esse período, teve meningite.)

Mas, depois, Sérgio Porto o encontrou lavando carros.
CARTOLA- É verdade. Tomava conta, à noite, de um edifício e, durante o dia, lavava os carros dos moradores. Sérgio porto me descobriu assim. O próprio Sérgio me arranjou trabalhos; até na Rádio Mayrink Veiga eu fui cantar. Deixei de lavar carro e fui levantando a vida outra vez.

Você também trabalhou no Diário Carioca?
CARTOLA- O Jota Efegê me levou para lá. Trabalhei um ano e pouco, mas o dinheiro era difícil, você sabe.

Por que a sua família veio para a Mangueira?
CARTOLA- Por causa da situação financeira. Meu avô morreu e minha avó estava muito doente. Meu pai, carpinteiro de profissão, ganhava uma mixaria. Com uma porção de filhos, teve de largar a casa de Laranjeiras, onde o aluguel era alto, para viver num barraco de Mangueira, onde a gente pagava uns cinco mil-réis de aluguel.

A Mangueira ainda era bem pequena naquela época?
CARTOLA- Havia só uns 50 barracões.

Como eram as relações da Mangueira com o pessoal do Estácio?
CARTOLA- A gente desfilava nos domingos de carnaval na Praça Onze e, às segundas-feiras, o pessoal do Estácio vinha para o morro. Na Terça-feira, a Mangueira ia ao Estácio. A amizade era muito. O Estácio era escola mais velha, não devemos discutir isso. Tínhamos, assim, um certo respeito pelo Estácio. Mesmo fora do carnaval, o pessoal do Estácio vinha para o morro cantar samba em qualquer dia da semana. Tínhamos respeito a eles como os mestres do samba. Houve até uma vez que fiz um samba em homenagem ao pessoal do Estácio que visitava a Mangueira.

Você era amigo de Noel Rosa, não era?
CARTOLA- Ele dormiu várias vezes em minha casa em Mangueira. Me lembro até de uma gravação de um disco que a gente ensaiou na minha casa, porque o conjunto que acompanhou a gravação era daqui do morro mesmo. Ele tomava umas coisinhas e ficava lá por casa. Dormia, almoçava, jantava, ia ficando.

Você se lembra de que música era a gravação?
CARTOLA- Não me lembro... espera aí... o Ciro Monteiro também estava no coro... a Odete Amaral...Almirante. Não me lembro da música , não.

Vocês dois fizeram músicas juntos?
CARTOLA- Diz qual foi o mal que te fiz. Ele botou Segunda parte, o Chico gravou, mas Noel não quis entrar na parceria: "Deixa para lá, o samba é do Cartola."

Você foi um dos primeiros caras de escolas de samba a se apresentar aí por fora.
CARTOLA- Eu, Paulo da Portela e Heitor dos Prazeres. Nós fomos para São Paulo.

Houve até uma confusão com o Paulo porque a Portela não o deixou desfilar.
CARTOLA- Fizemos o Grupo Carioca e nossa fantasia era preta e branca. Na viagem, combinamos que os três desfilaríamos em nossas escolas. Era Sábado de carnaval e não dava tempo para fazer as nossas fantasias daquele ano, pois o desfile era Domingo. Quando veio a Mangueira, entramos com aquela roupa e não teve bronca. Veio a escola do Heitor dos Prazeres, lá de Bento Ribeiro, e entramos também. Quando chegou a Portela, botaram nós três para fora. Foi o Manuel Bambambã que expulsou a gente. Ele disse que de preto e branco não dava. Só de azul e branco, que eram as cores da Portela. (Naquele ano, a portela desfilou na frente das outras. Portanto, quando Manuel Bambambã impediu que saíssem na portela, já haviam desfilado nas outras escolas)

Você também se apresentou no Cassino Atlântico?
CARTOLA- Foi um grupo daqui de Mangueira. Está quase todo mundo morto. Júlio, Agenor, Ataliba. Neuma, que era uma menina naquela época, também estava no grupo. A irmã dela, a moçada toda organizada por mim. Quem me arranjou isso foi Sílvio Caldas.

Sílvio sempre foi seu amigo.
CARTOLA- Muita gente não sabe de uma coisa: o primeiro surdo que a Mangueira teve quem deu foi Sílvio Caldas.

Surdo? Quer dizer que a Mangueira não tinha surdo?
CARTOLA- no início, não. Quem tinha surdo era o pessoal do Estácio. Aí, Sílvio Caldas deu um surdo à Mangueira.

Vocês ganhavam muito dinheiro naquelas apresentações?
CARTOLA- Não, a gente ganhava uns trocadinhos. Era como hoje. Atualmente, quem ganha dinheiro é Roberto Carlos. Se pedir milhões, ganha milhões. A gente, não. A gente ganha um trocadinho mesmo.

E aquele programa do Paulo Roberto, A Voz do Morro?
CARTOLA- Era na Rádio Cruzeiro do Sul, todas as terças-feiras. Em cada primeiro programa do mês, eu e Paulo da Portela apresentávamos um samba novo para o ouvinte batizar, dar o nome. Quem desse o melhor nome ganhava um prêmio. Mas eu e Paulo só estivemos no programa uns três meses.

Ah, Cartola! Me fala desse Zé Espinguela. Esse cara aparece sempre nas histórias relacionadas com as origens das escolas de samba. Ele morava aqui em Mangueira?
CARTOLA- Não, ele tinha uma amante aqui no morro. Era casado, mas tinha uma amante aqui. Esse negócio de concurso de samba quem inventou foi ele. Era macumbeiro e fazia todos os anos na casa dele, no Engenho de Dentro, uma festa no dia de São Sebastião. Misturava roda de samba com macumba, tinha comida, tinha bebida, aquela coisa toda. Então, ele inventou um negócio que era o seguinte: fazer um samba. Ele dizia assim: "Quero um samba com a palavra tal." Eu fiz o samba, Paulo da Portela fez, Heitor dos Prazeres, o falecido Agenor... Daí, ele inventou um concurso na Praça Onze.

Afinal, Cartola, seu nome é Angenor ou Agenor de Oliveira?
CARTOLA- É Angenor.

Mas isso você descobriu há pouco tempo.
CARTOLA- Descobri quando ia casar com Zica (em 1964). Comecei a tirar os documentos e foi aí que vi que estava tudo errado. Tirei a certidão e o nome estava lá: Angenor. Aliás, só vi uma pessoa com este nome. Vi, não. Foi num jornal da televisão que apareceu o nome do diretor de um hospital no Acre. O camarada também se chama Angenor. Puxa vida, até que enfim arranjei um xará.

E como vai seu pai, Cartola?
CARTOLA- Vai bem. Em outubro, vai fazer 90 anos.

Ele ainda bebe?
CARTOLA- Às vezes. Quando vem aqui toma uma cervejinha, uma cachacinha, mas bebe pouco. Não puxou ao filho. Olha só: são oito horas da manhã e a gente está bebendo conhaque e cerveja.

Quem te ensinou a tocar violão?
CARTOLA- aprendi sozinho. Meu pai tocava e eu ficava olhando pros dedos dele. Quando ele saía para trabalhar, eu pegava o violão e repetia o que ele estava fazendo. Quando saí de casa, já arranhava um pouco. Passei para o cavaquinho, mas depois fiquei com o violão.

Você anda afastado da Estação Primeira. O que é que há?
CARTOLA- Não é nada demais. É que eu sinto apenas que o samba que se faz atualmente não é o samba do tempo que eu fazia para a escola.

Mas houve uma vez que você se afastou mesmo.
CARTOLA- pois é. Foi durante aqueles sete anos que andei jogado fora. Foi naquela época que fiz aquele samba que mostrava meu amor pela escola e deixava a meninada fazer samba em meu lugar:
(Por sinal, uma das obras-primas de Cartola.)
Todo o tempo que eu viver
Só me fascina você, Mangueira
Guerreei na juventude
Fiz por você o que pude, Mangueira
Continuam nossas lutas
Podam-se os galhos, colhem-se as frutas
E outra vez se semeia
E no fim deste labor
Surge outro compositor
Com o mesmo sangue na veia

O seu parceiro preferido é Carlos Cachaça, não é?
CARTOLA- É, foi com ele que escrevi mais sambas. Já tive vários parceiros, mas o Carlos, não sei, tudo com ele dava certo.

Você é bom improvisador em matéria de samba?
CARTOLA- Não. Improviso, mas não sou forte. Aliás, só conheço um cara que é muito forte no improviso. Sabe quem é? O Aniceto, do Império Serrano. Aquele camarada é forte. Até hoje, não vi ninguém mais forte do que ele.

A barra por aqui era pesada antigamente? Aquele negócio do samba do Herivelto Martins: "Sou do tempo que o malandro não descia/ Mas a polícia no morro também não subia". Era verdade mesmo?
CARTOLA- Era de fato muito perigoso.

E você era respeitado?
CARTOLA- Graças a Deus. Você sabe, me criei no meio dos valentes, fazendo minha modinha devagar e sempre. Devagar e sempre, sem sair disso: "Sim, senhor; não, senhor." Nunca ninguém me fez mal aqui. Você deve saber daquele caso meu com o falecido Marcelino, o Maçu, não sabe? Namorei a mulher dele e não aconteceu nada.

Além do filme que Villa-Lobos arranjou e do Ganga Zumba, você fez mais algum?
CARTOLA- Fiz um pouco do Orfeu do Carnaval e fiz Os Marginais. O meu papel era de dedo-duro. Entregava todo mundo à polícia e acabaram me matando aqui no morro mesmo. No Orfeu, eu e Zica fomos os padrinhos de casamento do Orfeu com aquela menina. Além de ator, fui também roupeiro do filme. Tomava conta das fantasias e Zica fazia comida para eles.

Você está com Zica há quantos anos?
CARTOLA- Bem, nosso casamento foi em 1964, mas ficamos muito tempo juntos, fazendo aquela experiência para ver se dava certo. Sempre fui muito cabreiro com mulher. Pra me agarrar, tem de saber.

O título do samba Divina dama foi inspirado no filme ou o filme veio depois?
CARTOLA- Me inspirei no filme, sim. Não posso negar.

Além de Noel Rosa, você teve algum parceiro fora do morro?
CARTOLA- tive o Raul Marques. Mas não entrei na parceria. Ele vendeu o samba pro falecido Baiaco sem Segunda parte e eu botei.

Que samba era esse?
CARTOLA- Um samba muito antigo: "Amor que não morreu/ E como custou pra revelar/ É verdade/ Nasceu nos braços meus/ Surgiu a nossa amizade/ Mudou/ Depois sumiu". Aí , botei a Segunda parte: "Depois, sumiu como some a infância..."

...que verso fantástico!
CARTOLA- "...Sem me deixar um rastro de esperança / às vezes quem dá gargalhada / Cai nos braços do outro / Criticando quem ficou louco". Fiz parceria com Baiaco também, fiz várias parcerias por aí. Agora, tenho um parceirinho novo muito bom, o Dalmo Castelo. Ele tem uma lojinha de modas em Ipanema, uma butique. Muito bom sujeito, muito educado, gostei muito dele.

Você estudou?
CARTOLA- Até o quarto ano primário. Comecei na Escola Rodrigues Alves e terminei na Escola Aliança, em Laranjeiras. Era uma vila grande, onde moravam os operários da Fábrica Aliança. Nos fundos, era a escola. O Rancho era ali também.

Você nunca foi muito bom em matéria de dança do samba, não é verdade?
CARTOLA- De vez em quando, eu gostava de dar os meus passinhos. Mas gostava de ver os outros. Meu negócio sempre foi cantar.








Autoria e outros dados (tags, etc)

por observatorio74 às 09:03

Sexta-feira, 27.04.12

Sinfonia Imortal - Nelson Sargento e Agenor de Oliveira - Raro




O Mestre do Samba Nelson Sargento e seu Parceiro Agenor de Oliveira ensaiam "Sinfonia Imortal", música inédita na época que foi lançada no CD do Sargento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por observatorio74 às 09:40

Sexta-feira, 27.04.12

Os Grandes Sambistas - Candeia


MusicPlaylistView Profile
Create a MySpace Music Playlist at MixPod.com

Antônio Candeia Filho, 17/8/35 - 16/11/78.

Filho de sambista, o menino Candeia até poderia guardar mágoa do samba. Em seus aniversários, ele contava com certa tristeza, não havia bolo, velinha, essas coisas de criança. A festa era mesmo com feijoada, limão e muito partido-alto. No Natal, a situação se repetia.

Seu pai, tipógrafo e flautista, foi, segundo alguns, o criador das Comissões de Frente das escolas de samba. Passava os domingos cantando com os amigos debaixo das amendoeiras do bairro de Oswaldo Cruz. Assim, nascido em casa de bamba, o garoto já freqüentava as rodas onde conheceria Zé com Fome, Luperce Miranda, Claudionor Cruz e outros. Com o tempo, aprendeu violão e cavaquinho, começou a jogar capoeira e a freqüentar terreiros de candomblé. 

Estava se forjando ali o líder que mais tarde seria um dos maiores defensores da cultura afro-brasileira. Arte negra era com ele mesmo.
Compôs em 1953 seu primeiro enredo, Seis Datas Magnas, com Altair Prego: foi quando a Portela realizou a façanha inédita de obter nota máxima em todos os quesitos do desfile (total 400 pontos).

No início dos anos 60, dirigiu o conjunto Mensageiros do Samba. Em 61, entrou para a polícia. Tinha fama de truculento e suas atitudes começaram a causar ressentimentos entre seus antigos companheiros.

Provavelmente, não imaginava que começava a se abrir caminho para a tragédia que mudaria sua vida. Diz-se que, ao esbofetear uma prostituta, ela rogou-lhe uma praga; na noite seguinte, ao sair atirando do carro num acidente de trânsito, levou um tiro na espinha que paralisou para sempre suas pernas.

Sua vida e sua obra se transformaram completamente. Em seus sambas, podemos assistir seu doloroso e sereno diálogo com a deficiência e com a morte pressentida: Pintura sem Arte, Peso dos Anos, Anjo Moreno e Eterna Paz são só alguns exemplos. Recolheu-se em sua casa; não recebia praticamente ninguém. Foi um custo para os amigos como Martinho da Vila e Bibi Ferreira trazê-lo de volta. De qualquer maneira, meu amor, eu canto, diria ele depois num dos versos que marcaram seu reencontro com a vida.

O couro voltou a comer nos pagodes do fundo de quintal de Candeia que comandava tudo de seu trono de rei, a cadeira que nunca mais abandonaria.
No curto reinado que lhe restava, dono de uma personalidade rica e forte, Candeia foi líder carismático, afinado com as amarguras e aspirações de seu povo. Fiel à sua vocação de sambista, cantou sua luta em músicas como Dia de Graça e Minha Gente do Morro. Coerente com seus ideais, em dezembro de 75 fundou a Escola de Samba Quilombo, que deveria carregar a bandeira do samba autêntico. O documento que delineava os objetivos de sua nova escola dizia: Escola de Samba é povo na sua manifestação mais autêntica! Quando o samba se submete a influências externas, a escola de samba deixa de representar a cultura de nosso povo.

No mesmo ano de 75, Candeia compunha seu impressionante Testamento de Partideiro, onde dizia: Quem rezar por mim que o faça sambando.
Em 78, ano de sua morte, gravou Axé um dos mais importantes discos da história do Samba. Ainda viu publicado seu livro escrito juntamente com Isnard: Escola de Samba, Árvore que Perdeu a Raiz.










Discografia

(1998) Eterna chama/Candeia • Perfil Musical • CD
(1997) Candeia, Aniceto do Império, Mestre Marçal e Velha-Guarda da Portela • Funarte/Atração Fonográfica • CD
(1997) Raiz - Filosofia do samba • Copacabana Discos • CD
(1997) Candeia - Samba da antiga • Copacabana Discos • CD
(1993) Mestre da MPB - Candeia • Warner Music • CD
(1988) Candeia • Funarte • LP
(1978) Axé! Gente amiga do samba • Atlantic/WEA • LP
(1978) Candeia e Elton Medeiros. Coleção Nova História da Música Popular Brasileira • Abril Cultural
(1977) Luz da inspiração • Atlantic/WEA • LP
(1977) Partido em 5 volume 3 • Tapecar • LP
(1977) Quatro grandes do samba (c/ Elton Medeiros, Guilherme de Brito e Nelson Cavaquinho) • RCA Victor • LP
(1975) Samba de roda • Tapecar • LP
(1975) Partido em 5 volume 1 • Tapecar • LP
(1975) Partido em 5 volume 2 • Tapecar • LP
(1971) Raiz • Gravadora Equipe • LP
(1970) Autêntico - Candeia • Gravadora Equipe • LP
(1964) Mensageiros do Samba • Gravadora Philips • LP



Fontes:



Autoria e outros dados (tags, etc)

por observatorio74 às 08:54

Quarta-feira, 25.04.12

sambaderaiz.net/

http://www.sambaderaiz.net/


O Site samba de raiz no momento tem quase 1.200 discos de samba, catalogados e digitalizados.
Separados individualmente por música, com todos os nomes dos autores.
Uma ótima referência para quem quer pesquisar um pouco mais o universo musical das batucadas.
Uma boa pedida para escolher uma pérola e dar play.

Abro todos os dias! Boa dica!



Autoria e outros dados (tags, etc)

por observatorio74 às 17:07


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Posts mais comentados